Quem já entrou na maratona de preparação para o vestibular sabe como é importante ter uma boa memória, até porque a “decoreba” não é o melhor caminho para ficar com os conteúdos em dia. Mas, muito além do período de preparação para o vestibular, quem estimula o cérebro ao longo da vida com atividades como leitura, escrita e jogos tem menores níveis da proteína beta amiloide, uma proteína que se concentra no cérebro, formando placas nos pacientes com mal de Alzheimer. Essas placas afetam a transmissão entre os neurônios.

Pesquisas recentes comprovam que um maior nível de escolaridade e a estimulação constante deixam o cérebro mais apto a guardar informações e a lidar melhor com a perda de neurônios.

Atenção a algumas dicas que podem ajudar:

Estimule o cérebro

Leia muito. Essa é a principal maneira de exercitar seu cérebro. Também valem desafios como mudar seu caminho habitual, usar a mão esquerda (no caso dos destros) para escrever ou escovar os dentes. Esses desafios mantêm a mente ativa.

Durma como um bebê

Qualidade de sono e boa memória estão intimamente ligadas. “Os processos de fixação da memória ocorrem durante o sono profundo. Quem não dorme bem fica com a memória superficial”, afirma Naim Akel Filho, coordenador do curso de Psicologia e do Grupo de Estudos em Neurociência da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR). Quem tira uma soneca depois do almoço consegue organizar ainda melhor as recordações, diz ele. Problemas no sono refletem também na atenção. “Se a pessoa não presta atenção, não absorve as informações, que não chegam ao sistema de memória”, lembra o neurologista e geneticista David Schlesinger, do Instituto do Cérebro do Hospital Israelita Albert Einstein.

Fuja das drogas

Não cogite a hipótese de utilizar drogas ilícitas. Porém, álcool e fumo também prejudicam seu cérebro. No caso do cigarro, são causadas alterações vasculares e a nicotina que se fixa no cérebro causa alterações no seu funcionamento.

Fique de bem com a vida

Procure ter uma vida menos estressante. Transtornos de humor, como ansiedade e depressão, trazem um grande comprometimento da memória.

Mantenha o coração em dia

Para um perfeito funcionamento, o cérebro precisa de oxigenação. E é o sistema circulatório que realiza essa função. “O coração bombeia o sangue, os pulmões o oxigenam e esse sangue oxigenado vai ao cérebro pelas artérias carótidas. Quando essas artérias começam a entupir, o cérebro sofre”, explica Akel Filho.

Pratique atividades físicas

Os exercícios físicos melhoram o bem-estar geral, tanto pela liberação de endorfinas e aumento dos níveis de serotonina e dopamina, quanto pela interação social que proporcionam.

Controle seu peso

Nada de neurose com seu peso! Mas procure se alimentar corretamente, com alimentos ricos em vitaminas e antioxidantes.

Controle o diabete

A doença aumenta o risco de desenvolvimento do mal de Alzheimer. Alguns estudos também indicam que episódios graves de hipoglicemia (quando os níveis de açúcar no sangue ficam muito baixos) podem levar a perdas de memória, lógica e concentração.

Mantenha-se ativo

Não deixe de se socializar e praticar esportes.

Relaxe

O estresse é um grande causador dos transtornos de humor e diretamente piora a capacidade de atenção e concentração. Uma pausa nas atividades é essencial para “recarregar”. Não deixe o lazer de lado.

Via Gazeta