Eu já falei em outro post aqui no blog sobre o vazamento de energia nuclear no Japão. Hoje vou comentar sobre terremotos e tsunamis, temas bem atuais que também podem ser cobrados nos vestibulares em diferentes matérias como Geografia, Português e Física.

O primeiro passo é entender o que é um terremoto e como ele acontece.

Segundo a Wikipediaé um fenômeno de vibração brusca e passageira da superfície da Terra, resultante de movimentos subterrâneos de placas rochosas, de atividade vulcânica, ou por deslocamentos (migração) de gases no interior da Terra, principalmente metano. O movimento é causado pela liberação rápida de grandes quantidades de energia sob a forma de ondas sísmicas”.

No Japão, ocorreu o que os geólogos chamam de subducção, que é a colisão de duas placas fazendo com que uma delas passe por cima da outra, enquanto a placa de baixo mergulha em direção ao manto, a camada pastosa da Terra que fica entre a crosta terrestre e o núcleo.

Já o tsunami é o reflexo do terremoto no oceano, ou seja, o tremor de terra faz com que se formem ondas gigantescas. Normalmente sente-se o tremor seguido pelo tsunami.

O caderno vestibular da Gazeta do Povo publicou uma matéria relacionando os acontecimentos do Japão com conteúdos que podem ser cobrados nos vestibulares. Nela explicam que não é necessário decorar os nomes das placas, exceto as que colidiram no último mês no Japão. Entretanto, é imprescindível saber localizar e relacionar os terremotos e tsunamis que aconteceram, uma vez que podem ser solicitadas comparações entre o estrago no Haiti e no Japão, ou porque em território brasileiro os terremotos são bem fracos.

Segundo o professor entrevistado, se uma questão como essa for cobrada, basta explicar que o Japão é mais preparado para terremotos por ser um país mais rico e que no Brasil eles não são fortes, pois nosso país não está localizado em área de encontro de placas – está sobre a placa Sul-americana.

Outra relação que pode ser cobrada, inclusive na prova de História, são os estragos provocados nas usinas nucleares por causa do tsunami e os causados pelas bombas que atingiram as cidades de Hiroshima e Nagasaki após a segunda Guerra Mundial.